Material para aula de Fotografia e Educação

 

Material didático:

Fotografia e leituras de mundo: arte e educação

Vídeos:

Ateliê de Fotografia: Um Olhar Sensível para a Infância – André Carrieri

Artigos:

A arte como linguagem um olhar sobre as práticas na educação infantil

Coleção Didática e Práticas de Ensino_Parte II

Interações_onde está a arte na infância

O Grafite e as Artes na Educação Infantil

Material para aula sobre Redes Sociais e Educação #eadtics

social-media-488886_960_720

Artigos:

A antropologia digital é o melhor caminho para entender a sociedade moderna – Daniel Miller

Tese: Relações sociais de Reconhecimento Intersubjetivo Virtual na formação de professores a distância.

NOGUEIRA, Vanessa dos Santos. Relações sociais de Reconhecimento Intersubjetivo Virtual na formação de professores a distância. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pelotas, 2016.

Esta pesquisa tem como objetivo a interpretação das relações sociais de reconhecimento intersubjetivo, valendo-se de espaços virtuais, especificamente em um curso de formação de professores, na modalidade de Educação a Distância (EAD), no âmbito do Sistema da Universidade Aberta do Brasil (UAB). A base teórica que guia a investigação está na luta pelo reconhecimento, proposta pelo filósofo alemão Axel Honneth. Para confrontar a fundamentação teórica, houve um trabalho empírico, cujo locus foi o ambiente virtual de aprendizagem Moodle, tendo como público os estudantes do Curso de Pedagogia a Distância da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no âmbito da UAB. A coleta de dados para base empírica decorreu de Entrevista Semiestruturada On-line com os estudantes do referido curso e de uma Autoetnografia Virtual. A organização dos dados para análise contou com o apoio do Software NVivo. A interpretação do corpus ocorreu por meio da Análise Textual Discursiva. Como resultados e discussões das análises dos dados, pode-se inferir que a internet enquanto artefato cultural de reconhecimento oferece recursos de interação que podem tanto reforçar padrões culturais antigos, quanto compor novos arranjos de relações sociais. O espaço virtual da internet configura um lugar de reconhecimento no curso pesquisado. Os sujeitos apresentam traços das três esferas de reconhecimento intersubjetivo, o amor, o direito e a estima social. Elas funcionam de forma entrelaçada, bem como vivências de reificação e sintomas de patologias sociais. Os estudantes demostraram a partir das entrevistas uma trajetória de luta por um projeto de bem viver, no qual ser aluno da EAD numa universidade pública caracteriza-se como uma conquista. Ao ocuparem o espaço virtual do curso, eles passam por período de adaptação, de aprendizagem dessa nova forma de comunicar. Dessa maneira, estabelecem relações práticas de autoconfiança, autorrespeito e autoestima. Nesse sentido, entende-se que o virtual apresenta especificidades na forma de relacionamento dos sujeitos que diferem da vida presencial, com potencial para qualificar os espaços de formação de professores, mas também, pode apresentar uma comunicação superficial e com falhas. Tais variações ocorrem na percepção dos estudantes pela ausência da presença física do outro e a superficialidade dos discursos dos professores e tutores. Contudo, acredita-se que o virtual e o presencial complementam-se. Por fim, o Reconhecimento Intersubjetivo Virtual é constituído com base em um movimento espiral de aprendizagem dos elementos necessários para a comunicação e luta por reconhecimento, que se dá no entrelaçamento dos espaços on-line e off-line do mundo da vida.
Palavras-chave: Axel Honneth, Teoria do Reconhecimento, Educação a Distância, Formação de Professores, Reconhecimento Intersubjetivo Virtual.

Abstract

NOGUEIRA, Vanessa dos Santos. Social Relations of Virtual Intersubjective Recognition in distance teachers training. Thesis (Doctorate in Education) – Program of Graduate Studies in Education, Federal University of Pelotas, 2016.

This research aims the interpretation of the social relations of intersubjective recognition, making use of virtual spaces, specifically in a course of teacher training, in the form of distance education (DE), under the system of the Open University of Brazil (OUB). The theoretical basis of the research guide is in the struggle for recognition, proposed by the German philosopher Axel Honneth. To confront the theoretical foundation, there was an empirical work, whose locus was the virtual learning environment Moodle, having as public the students of Distance Pedagogy Course from Federal University of Santa Maria (UFSM), under OUB. Data collection for empirical basis held online semi-structured interviews with students of that course and a Virtual Auto ethnography. The organization of data for analysis had the support of Software Nvivo. The interpretation of the corpus occurred through the Discourse Textual Analysis. As a result of discussions and analyzes of the data, it could be inferred that the internet as a cultural artifact recognition, offers interaction features that can enhance both ancient cultural patterns, as composing new arrangements of social relations. The virtual space of the internet sets up a recognition of the place at the searched course. The subjects have traces of the three inter-subjective recognition spheres, love, law and social esteem. They work in interlaced form, as well as reification of experiences and symptoms of social pathologies. Students demonstrated on the interviews a path of struggle for a good life project, in which being a student of OUB in public universities is characterized as an achievement. To occupy the virtual space, they go through the adaptation period, learning this new way to communicate. Thus, establish practical relations of self-confidence, self respect and self esteem. In this sense, it is understood that the virtual presents specificities in the form of relationship of the subjects that differ from presential life, with the potential to qualify spaces for teacher training, but also may have a superficial communication and failures. Such variations occur in the perception of students by the absence of the physical presence of the other and the shallowness of the speeches of teachers and tutors. However, it is believed that the virtual and presential complement each other. Finally, Virtual intersubjective Recognition is made based on a learning spiral movement of the necessary elements for communication and struggle for recognition which happens on the intertwining of online and off-line spaces in the world of life.
Key words: Axel Honneth, Recognition Theory, Distance Education, Teacher Training, Virtual Intersubjective Recognition.

Baixe o arquivo completo aqui!

Material para aula sobre Mapas Conceituais

10661771_10204683284944850_7115218500574853900_oMapa Conceitual feito em aula, pelos alunos do Programa Especial de Graduação para a Educação Profissional.

Revista Nova Escola: David Ausubel e a aprendizagem significativa

Artigo:Mapas conceituais e aprendizagem significativa – Marco Antonio Moreira

Tutorial sobre CMapTools: http://penta3.ufrgs.br/tutoriais/Tutoria-CmapToolsV5/conteudo.htm

Sobre Mapas Conceituais: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mapa_conceitual

Sobre Mapas Mentais:http://pt.wikipedia.org/wiki/Mapa_mental

Vídeos:

Uso de Mapas Conceituais como Ferramenta de Aprendizagem do curso de Especialização em Informática na Educação – CEAD/IFES.

Entenda as diferenças entre mapas mentais e mapas conceituais.

Expressão Corporal – Linguagem e Contextos Educativos na Infância

Esse semestre estou trabalhando com a disciplina de Seminário Integrador VI – Linguagem e Contextos Educativos na Infância. A disciplina tem a proposta de integrar os saberes trabalhados por todas as disciplinas do 6º semestre do Curso de Pedagogia EAD/UFSM/EAD.

Normalmente as atividades são desenvolvidas de forma escrita, com fóruns de discussão, resumos, mapas conceituais… Dificilmente vemos ou ouvimos nossos alunos da EAD apresentando um trabalho. Dessa realidade surgiu a ideia de trabalhar com vídeos.

Uma das atividades dessa disciplina foi a criação ou adaptação de uma história infantil que envolvesse a participação das crianças, realizando movimentos corporais.

Disponibilizei um exemplo de atividade que realizei com os meus alunos do 4º ano do Ensino Fundamental, na Escola Municipal São Carlos em Santa Maria/RS, que você pode ver aqui!

O resultado do trabalho foi incrível, eu as tutoras a distância da disciplina, a Profª. Camila Fleck e a Profª. Martieli Rodrigues, ficamos muito orgulhosas com o resultado.

A atividade demandou muito esforço de todos. A gravação dos vídeos, o compartilhamento no ambiente, o envolvimento de amigos, da família, a autorização de uso da imagem das crianças que foram filmadas, todos esses elementos que tornaram essa atividade tão significativa.

Pra mim esta sendo uma experiência nova ver os alunos da EAD apresentando um trabalho!

Você pode assistir algumas das atividades a seguir:

Atividade realizada com alunos da Pré-escola Nível 1 e 2.
Alunas: Greice P. Moreira e Luisa Santos
Polo de Sobradinho

Atividade realizada com uma turma do Pré-A na cidade de Sobradinho.
Alunas: Carine Cembrani, Mailis Lisboa, Maria Fátima da Silva Fernandes, Maria Beatriz Hanzel e Claudete Puntel Ferreira.
Polo de Sobradinho

História: Os Três Porquinhos
Acadêmicas: Samara de Moura Krüger e Soeli Tolfo
Polo de Palmeira das Missões

 

Contribuições de alguns pensadores sociais brasileiros #sociologia

florestan-fernandes

Florestan Fernandes

Vídeo: Roda Viva – Florestan Fernandes
Documentário: Pensadores da Realidade Brasileira

Artigos:
FERNANDES, Florestan. A ciência aplicada e a educação como fatores de mudança cultural provocada. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 86, n. 212, 2007.
SAVIANI, Dermeval. Florestan Fernandes e a educação. Estudos Avançados, v. 10, n. 26, p. 71-87, 1996.
FREITAG, Barbara. Florestan Fernandes revisited. Estudos Avançados, v. 19, n. 55, p. 229-243, 2005.

Documentário: Pensadores da Realidade Brasileira

Livros:
FERNANDES, FLORESTAN. A função social da guerra na sociedade Tupinambá. – 3. ed. – São Paulo : Globo, 2006.
FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. Global Editora e Distribuidora Ltda, 2015.
FERNANDES, Florestan. Mudanças sociais no Brasil. Global Editora e Distribuidora Ltda, 2015.

darcy-ribeiro-retrato.jpg

Darcy Ribeiro

Vídeo: Roda Viva Darcy Ribeiro

Artigos:
RIBEIRO, Darcy. Sobre o óbvio. Encontros com a civilização brasileira, v. 1, p. 9-22, 1978.
RIBEIRO, Darcy. A universidade necessária. Em Aberto, v. 1, n. 10, 2011.
BOMENY, Helena. A escola no Brasil de Darcy Ribeiro. Em Aberto, v. 21, n. 80, 2009.

Livros:
RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. Global Editora e Distribuidora Ltda, 2015.
RIBEIRO, Darcy. Maíra. Global Editora e Distribuidora Ltda, 2015.
RIBEIRO, Darcy. Confissões. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

 

images.jpeg

Gilberto Velho

Vídeo: Entrevista com o professor Gilberto Velho

Artigos:
VELHO, Gilberto. Estilo de vida urbano e modernidade. Revista Estudos Históricos, v. 8, n. 16, p. 227-234, 1995.
VELHO, Gilberto. Individualismo, anonimato e violência na metrópole. Horizontes antropológicos, v. 6, n. 13, p. 15-29, 2000.
VELHO, Gilberto. O desafio da violência. Estudos Avançados, v. 14, n. 39, p. 56-60, 2000.

Livros:
VELHO, Gilberto. A utopia urbana: um estudo de antropologia social. Zahar, 1989.
VELHO, Gilberto. Arte e sociedade: ensaios de sociologia da arte. Zahar Editores, 1977.

110_3031-freyre1.gif

Gilberto Freyre

Vídeo: Gilberto Freyre – O que é o Brasil?

Artigos:
FREYRE, Gilberto. O indígena na formação da família brasileira. ______. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal, v. 50, 2005.
VELHO, Gilberto. Gilberto Freyre: trajetória e singularidade. Sociologia, problemas e praticas, n. 58, p. 11-21, 2008.
SOUZA, Jessé. Gilberto Freyre e a singularidade cultural brasileira. Tempo social, v. 12, n. 1, p. 69-100, 2000.
MEUCCI, Simone. Gilberto Freyre e a sociologia no Brasil: da sistematização à constituição do campo científico.Tese. UNICAMP. 2006.
DE REZENDE, Maria Jose. A democracia em Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda. Plural (São Paulo. Online), v. 3, p. 14-48, 1996.

Livros:
FREYRE, Gilberto. Assombrações do Recife velho. Global Editora e Distribuidora Ltda, 2015.
FREYRE, Gilberto. Tempo morto e outros tempos: Trechos de um diário de adolescência e primeira mocidade-1915-1930. Global Editora e Distribuidora Ltda, 2015.
FREYRE, Gilberto. Ordem e progresso. Global Editora e Distribuidora Ltda, 2015.
FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economica patriarcal. J. Olympio, 1933.

 

sergiob.jpg

Sérgio Buarque de Holanda

Vídeo: Raizes do Brasil – Parte 1

Raízes do Brasil – Parte 2

Artigos:
HOLANDA, Sérgio Buarque de. O lado oposto e outros lados. Revista do Brasil, p. 9-10, 1926.
MATOS, Júlia Silveira. Tradição e modernidade na obra de Sérgio Buarque de Holanda. 2005.
SANCHES, Rodrigo Ruiz. A questão da democracia em Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda. 2010.

Livros:
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, v. 26, 1984.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Monções e Capítulos de expansão paulista. Editora Companhia das Letras, 2014.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. O homem cordial. Editora Companhia das Letras, 2012.